sexta-feira, 25 de junho de 2010

Youtube + Linux + Mplayer + Youtube-dl - Flash

Essa manha eu estava observando o leitor de RSS e vi no planetgentoo uma dica muito interessante para quem nao gosta de usar o flash mas nao consegue ficar sem o youtube.

Clique aqui para ler o texto original que chama-se "gentoo + youtube – flash + mplayer" no blog wonkablog.

Entao, segue aqui a dica.

1. Faca o download do youtube-dl e instale-o como ROOT copiando-o para o diretorio /usr/bin/ e dando permissao de execucao chmod a+x /usr/bin/youtube-dl

2. Certifique-se que o MPlayer esteja instalado e rode o comando
mplayer $(youtube-dl -b -g http://endereco_do_video_no_youtube)

O exemplo utilizado no wonkablog foi o seguinte
mplayer $(youtube-dl -b -g http://www.youtube.com/watch?v=9IfEInQ7aic)

Voilá!!

Post original em wonkablog

quinta-feira, 24 de junho de 2010

Gosta do Android? Conheca o CyanogenMod.

Se voce tem um HTC Dream, HTC Magic, Motorola Droid ou Google Nexus One provavelmente sera interessante conhecer o CyanogenMod.

Segundo o Wikipedia, "O CyanogenMod e' um versao alterada do Android que oferece recursos nao encontrados na versao oficial do sistema operacional, incluindo suporte ao formato de audio FLAC, multi-touch, a habilidade de guardar e rodar aplicativos baixados no cartao de memoria microSD, cache compactado (compcache), menu de reinicializacao, entre outros (...)". Clique aqui e leia o restante (em ingles).

A lista de recursos oferecidos pelo CyanogenMod e' bem agradavel, vai alem dessa que citei acima.

Acesse o site oficial do projeto para fazer o download e ler mais a respeito dessa maravilha.

Nao vejo a hora de por as maos em um dispositivo movel rodando Android, e que seja compativel com o CyanogenMod. 

;-)

As fontes Droid Family do Android

As fontes Droid Family, desenvolvidas pela Ascender Corporation, nao possuem URL fixado para download. Para baixa-las acesse:

http://android.git.kernel.org/?p=platform/frameworks/base.git;a=tree;f=data/fonts;hb=HEAD

e clique em "snapshot".

Se preferir baixe o pacote com as fontes droid-ttf-20090607.tar.gz.

Se deseja que todos os aplicativos utilizem as fontes Droid Family como padrao coloque o arquivo 65-droid.conf em /etc/fonts/conf.avail/ como ROOT para que a alteracao sirva para todos os usuarios. Se deseja apenas para seu usuario salve-o como .fonts.conf (nao esqueca do "." no inicio do nome do arquivo) na sua pasta pessoal.


Atualmente foi desenvolvida uma nova versao chamada Droid Family Pro e as fontes Handset Condensed e Handset Condensed Bold. Nenhuma delas estao disponiveis gratuitamente.

Palavras de um pequenino

"Papai, vá oiá seu okut, quéio jogá uma, duas, tês..."

Esses momentos sao otimos para percebemos como as palavras podem nos atingir, nesse caso, nos fazer rir.

Equacao:

Meu pequeno filho de cinco anos, que mal fala direito

+

O grande vicio em jogos ( nesse caso o console Dreamcast ), que me fez entender muito bem o que ele quis dizer

=

"Papai, saia daqui, quero jogar sozinho e nao revezar. Va olhar seu orkut."


Sai, expulso da sala, e vim para o computador. Vou dizer o que?

Pai e' besta viu...

=)

quarta-feira, 23 de junho de 2010

Instalando o LXDE no Slackware 13.1 64-bits

Eu sou uma pessoa que enjoo facil das interfaces de sistemas operacionais, desde um dispositivo movel a um PC-Desktop. Isso e' um problema pois acredito que mais de 50% dos sistemas que encontramos nao nos da total liberdade para customizacao. No maximo uma troca de icones e papel de parede.

No linux consigo suprir essa necessidade pois existem varios temas, varias formas de customizacao, varios ambientes graficos, etc.

Ja testei alguns ambientes graficos, mas tinha um que estava sendo muito bem falado e ainda nao havia passado pela minha "caixinha de caprichos" (sem viadagem, na moral rsrs): o LXDE.

O primeiro contato que tive com o LXDE foi quando utilizei o PartedMagic e o mesmo vem utilizando esse ambiente grafico ate entao desconhecido. Logo pensei "Uso slackware e quero esse ambiente grafico rodando em meu sistema. Quero conhece-lo". Entao, vamos ao que interessa:

O Wiki do LXDE, na parte que fala sobre o Slackware, nos aponta algumas alternativas de como instalar esse ambiente grafico, e a mais interessante que achei foi a que nos direciona aos pacotes TXZ do Ponce (Ponce's Slackware 13.1 packages) que nada mais e' do que os pacotes do LXDE elaborados pelo saudoso Alien Bob, com ultima atualizacao datada em 25 de Maio, modificado para completa compatibilidade com o Slackware 13.1.

Depois de baixar os pacotes, instale-os como ROOT utilizando o comando installpkg nome_do_pacote.txz e configure, ja como usuario, o ambiente grafico padrao atraves do comando xwmconfig.

Mais facil que isso, so o Windows (cof, cof...)

terça-feira, 22 de junho de 2010

DLLs perdidas ou corrompidas no Windows. Que dor de cabeca...

Quantas vezes voce ja se deparou com aqueles problemas de DLLs no Windows? 

Quando voce pensa que o sistema esta estavel (ate parece rsrs) sempre aparece uma coisa para fazer voce ficar de cabelo em pe, mesmo que seja careca...

Amigos usuarios do Windows, a solucao e' acessar um site chamado DLL4FREE.

Infelizmente eu nao sei se sao arquivos confiaveis, por isso e' sempre recomendado manter seu antivirus atualizado (recomendo o da Microsoft), funcionando firme e forte!

Fica a dica!!

:-)

Resolvendo o problema de dependencia do GNUTLS 1.3 no Slackware 13.1 64-bits

Hoje tive bastante trabalho para chegar a uma resolucao do problema da dependencia do GNUTLS 1.3 no Slackware 13.1 64-bits (no 32-bits tambem existe essa dependencia).

Infelizmente alguns programas ATUAIS, como o navegador CHROMIUM por exemplo, insistem em utilizar bibliotecas antigas. O motivo eu nao sei. O que importa e' que nos deparamos com esses tipos de situacoes e devemos, dependendo do nivel de conhecimento, tentar achar uma saida.

A primeira coisa que tentei foi o que a maioria tenta: Criar um link simbolico do versao existente no sistema, com o nome da versao antiga. No meu caso, criei um link simbolico do GNUTLS 2.8.6 para o GNUTLS 1.3 ( libgnutls.so -> libgnutls.so.13 ).
Sem sucesso!

Depois disso dei uma olhada no oraculo e constatei que a unica forma de resolver era procurar a versao 1.3 da biblioteca e compilar para o meu sistema. Para evitar conflitos procurei compilar e instalar no diretorio /opt/gnutls13 o GNUTLS 1.3.5 (ultima versao 1.3 a ser lancada). Para isso usei como ROOT o seguinte comando:

# ./configure --prefix=/opt/gnutls13
# make
# make install

GNUTLS 1.3.5 instalado! Agora preciso informar ao sistema que existe essa biblioteca e onde ela esta instalada. Ainda como ROOT:

# echo "/opt/gnutls13/lib" >> /etc/ld.so.conf
# ldconfig

Agora ja e' possivel executar os programas que precisam do GNUTLS 1.3.

Como ja e' de praxe criei logo um pacote TGZ para evitar ter trabalho da proxima vez. ;-)

Instalando o Google-Chrome ou Chromium no Slackware 13.1 64-bits

Antes de qualquer coisa e' necessario que sejam instaladas duas dependencias do Google-Chrome ou Chromium. Sao elas:


Orbit2


GConf

Nesses dois links voce encontrara o "slackbuild" e o "codigo-fonte" para gerar o pacote TGZ e assim serem instaladas como root atraves do comando

# installpkg nome_do_pacote.tgz


Lembre-se que o Google-Chrome oficial so e' disponibilizado em formatos RPM ou DEB. Prefira o formato RPM e converta-o, de preferencia como ROOT, para TGZ utilizando o comando

# rpm2tgz nome_do_pacote.rpm

e depois instale-o com o comando installpkg mostrado anteriormente.

Ja o Chromium nao precisa converter pois ele esta disponibilizado em formato ZIP. Nesse caso precisa descompacta-lo no diretorio /opt e e criar um link simbolico do seu script de execucao /opt/chrome-linux/chrome em /usr/bin. Ambos como ROOT.

Bom, dependencias instaladas e Google-Chrome ou Chromium instalado, sera necessario mais um passo (ou melhor, sete passos) para que o navegador possa ser utilizado. Ainda como ROOT crie os seguintes links simbolicos com os comandos abaixo:

# ln -s /usr/lib64/seamonkey/libnss3.so /usr/lib64/libnss3.so.1d
# ln -s /usr/lib64/seamonkey/libnssutil3.so /usr/lib64/libnssutil3.so.1d
# ln -s /usr/lib64/seamonkey/libsmime3.so /usr/lib64/libsmime3.so.1d
# ln -s /usr/lib64/seamonkey/libssl3.so /usr/lib64/libssl3.so.1d
# ln -s /usr/lib64/seamonkey/libplds4.so /usr/lib64/libplds4.so.0d
# ln -s /usr/lib64/seamonkey/libplc4.so /usr/lib64/libplc4.so.0d
# ln -s /usr/lib64/seamonkey/libnspr4.so /usr/lib64/libnspr4.so.0d

* NO CHROMIUM BUILD 50453 HOUVE A NECESSIDADE DE INSTALAR O GNUTLS 1.3. CLIQUE AQUI PARA VER COMO RESOLVER ESSE PROBLEMA.

Pronto. Depois dessas tres etapas (Instalacao de dependencias, Instalacao do navegador e Criacao dos links simbolicos das bibliotecas) voce podera, enfim, utilizar o Google-Chrome ou Chromium.

ARTIGO BASEADO NO ORIGINAL DO ARPOC'S NEWS
Fonte: http://arpoc.wordpress.com/2010/01/05/instalando-chromium-no-slackware-13-0/

UPDATE:
Se houver problema na execucao do Google-Chrome ou Chromium verifique as permissoes relacionadas ao diretorio que ele esta instalado e ao sandbox. O sandbox tem que estar com as permissoes 4755. Para isso, dentro do diretorio do Google-Chrome ou do Chromium execute como ROOT:


GOOGLE-CHROME


# chmod 4755 /opt/google/chrome/chrome-sandbox


CHROMIUM


# chmod 4755 /opt/chrome-linux/chrome_sandbox

Configuracoes de fonte no Google Chrome ou Chromium

Navegando pelo google eu encontrei um site contendo informacoes de como editar um arquivo que nos permite configurar algumas coisas a mais relacionadas as fontes utilizadas no Google Chrome ou Chromium.

Usando um editor de textos abra o arquivo:

No WINDOWS:
"Documents and Settings\User_Name\Local Settings\Application Data\Google\Chrome\User Data\Default\Preferences"

No LINUX:
"$HOME/.config/google-chrome/Default/Preferences"

voce vai encontrar "webkit": {  "webprefs": { dentro do arquivo. Essas configuracoes sao relacionadas ao WebKit.
Em minhas configuracoes por examplo:

"webkit": {
   "webprefs": {
      "default_fixed_font_size": 14,
      "default_font_size": 16,
      "fixed_font_family": "Droid Sans Mono",
      "minimum_font_size": 12,
      "minimum_logical_font_size": 12,
      "sansserif_font_family": "Droid Sans",
      "serif_font_family": "Droid Serif",
      "standard_font_is_serif": false,
      "text_areas_are_resizable": true
   }
}



TEXTO TRADUZIDO E MODIFICADO POR MIM. ORIGINAL EM GOOGLE CHROME HELP FORUM.
Fonte:
http://www.google.com/support/forum/p/Chrome/thread?tid=05ffb701b2d72050&hl=en

Navegue melhor com o Web-Fonts: Chrome + @font-face

Infelizmente, no poderoso Google Chrome ou Chromium parece ser impossivel exibir fontes customizadas (recurso do CSS3). Porem, o Apple Safari, que tambem e' baseado no WebKit, consegue fazer uso desse recurso.

Felizmente, essa "falta de recurso" do Google Chrome ou Chromium e' apenas uma opcao q vem desativada por padrao. Para habilita-la voce simplesmente precisa, atraves de linha de comando, executar o seu navegador da seguinte forma:

No LINUX:

chromium-browser --enable-plugins --enable-remote-fonts %U

ou

google-chrome --enable-plugins --enable-remote-fonts %U

No MAC OS:

/Applications/Chromium.app/Contents/MacOS/Chromium --enable-remote-fonts

No WINDOWS:

"caminho/para/o/chrome.exe" --enable-remote-fonts
(clique aqui para ver)


Saiba mais sobre web-fonts em webfonts.info.


Obs. Bem, agora eu adoraria se existisse uma linha de comando melhorasse a forma do Chrome renderizar as fontes (quero dizer com Anti-Aliasing).


ARTIGO TRADUZIDO POR MIM DO LYNCIS.INFO
Fonte:
http://lyncis.info/en/post/267

sábado, 19 de junho de 2010

Grao-de-Bico e a Serotonina


Grao da felicidade - " Alguns estudos afirmam que o grao-de-bico possui o mesmo efeito que o chocolate na producao de serotonina, com a vantagem de estar livre das gorduras e carboidratos presentes no mesmo, o que conferiu ao grao-de-bico o titulo de “grao da felicidade” "


Apesar de muito nutritivo, dificilmente encontramos receitas ou festividades relacionadas com o preparo e/ou consumo do grao-de-bico. Esse alimento nao ocupa lugar de destaque no ranking das leguminosas mais populares entre os brasileiros e a explicacao mais aceita para isso refere-se ao custo: o grao-de-bico pode chegar a custar ate cinco vezes mais que o feijao!

Mas essa relutancia quanto ao seu consumo deve ser repensada e vou explicar o porque!

Apesar de pouco consumida no Brasil, essa leguminosa e' amplamente utilizada como ingrediente de pratos indianos e em diversas localidades do Oriente Medio, na forma de hummus, falafels e curries. Ele apresenta, em media, 20% de sua composicao total de pura proteina. E' uma dica valiosa para quem esta querendo substituir a carne vermelha em seus menus: o grao-de-bico e' uma rica fonte de proteinas que, quando combinado com um cereal integral (macarrao de trigo integral, arroz integral, etc.), tem sua biodisponibilidade potencializada no organismo. 

Assim, esse alimento pode fornecer um teor de proteinas comparavel ao de alimentos a base de carne ou de leite, sem os elevados valores caloricos ou altas quantidades de gordura saturada encontrada nesses alimentos. 

Outro destaque de sua composicao e' o elevado teor de fibras (12% da sua composicao total), principalmente na casca, que auxilia no melhor funcionamento do intestino. Alem disso, a ingestao do grao-de-bico tambem evita elevacoes rapidas dos niveis de acucar no sangue apos uma refeicao. Isso ocorre porque ele proporciona uma queima mais lenta da energia adquirida pelo organismo, diminuindo assim os danos causados pela resistencia a insulina, hipoglicemia ou diabetes. 

O grao-de-bico tambem e' considerado uma excelente fonte de manganes (mineral essencial que atua na sintese de diversas enzimas importantes, relacionadas a producao de energia e as defesas antioxidantes), molibdenio componente que “desintoxica” os sulfitos que, em pessoas sensiveis a eles, podem ser causadores de taquicardias, dor de cabeca, atordoacoes entre outros. 

Apesar de todos esses beneficios, a caracteristica que mais tem chamado atencao para essa leguminosa e' seu alto teor de triptofano, que e' um aminoacido essencial relacionado a producao da serotonina (substancia que traz sensacoes agradaveis e bem-estar). Para quem ainda nao reconheceu essa substancia, ai vai a explicacao: a serotonina e' o composto responsavel pela sensacao de bem-estar causada pelo chocolate. Alguns estudos afirmam que o grao-de-bico possui o mesmo efeito que o chocolate na producao de serotonina, com a vantagem de estar livre das gorduras e carboidratos presentes no mesmo, o que conferiu ao grao-de-bico o titulo de “grao da felicidade”. 

Mas devemos sempre lembrar que a plena felicidade nao depende apenas do consumo de um alimento rico em certo componente. Ela e' um conjunto de varios fatores relacionados entre si, envolvendo uma alimentacao adequada, habitos de vida saudaveis e o que e' mais importante, sentir paz no coracao e alegria na alma.


Dicas para preparar grao-de-bico

* Antes de lavar os graos, voce deve espalha-los em uma superfície de cor clara ou para identificar e remover pequenas pedras ou graos danificados. Apos esse processo, coloque-os em um coador e enxague-os com agua corrente fresca.

* Para encurtar o seu tempo de cozimento e torna-los mais faceis de digerir, os graos-de-bico devem sofrer cozimento, que pode ser realizado de duas maneiras: A primeira consiste em colocar os graos em uma panela e adicionar duas a tres xícaras de agua para cada xícara de grão-de-bico. Ferver por dois minutos, tirar a panela do fogo, tampar e deixar de repouso por duas horas. O outro metodo e' simplesmente deixar os graos de molho por oito horas, com a panela na geladeira para que eles nao fermentem.

ARTIGO RETIRADO DO SITE VYA ESTELAR

segunda-feira, 14 de junho de 2010

Onze dicas para exterminar a barriga!

Isso e' possivel se voce adotar algumas condutas espertas na sua rotina alimentar. Quem ensina e' a nutricionista funcional Andreia Naves, diretora da VP Consultoria Nutricional de Sao Paulo.
Por Shirley Santos


1 - Inclua no cardapio alimentos antiinflamatorios, que previnem o acumulo de gordura no abdome: curcuma, gengibre, pimenta vermelha, cha-verde, frutas vermelhas (mirtilo, uvas e morangos) e peixes em geral.

2 - Fique longe do excesso de acucar – proveniente, principalmente, dos refrigerantes. No quesito bebidas, alias, evite toma-las junto as refeicoes para nao comprometer a absorcao de nutrientes importantes no processo de emagrecimento.

3 - Elimine as toxinas.
Para tanto, saboreie, pelo menos, duas porcoes (1 pires) de couve, couve-de-bruxelas, brocolis ou agriao cozidas no vapor. Assim, voce potencializa a desintoxicacao do organismo. Se possivel, opte pelas versoes organicas.

4 - Reduza o estresse.
Ele aumenta, de forma desequilibrada, a producao de cortisol (hormonio que estimula enzimas responsaveis pelo acumulo de gordura no abdome). Como relaxar? Escolha alimentos que diminuem sua acao no organismo (abacate, cha-verde, vitamina C); intercale as refeicoes de tres em tres horas e invista em terapias corporais como, por exemplo, reiki, shiatsu e bio-danca.

5 - Acerte no oleo.
Ao cozinhar, prefira o de canola, de soja, de arroz ou de coco (sempre em pouca quantidade). Entre outros beneficios, eles aceleram o metabolismo.

6 - Controle os hormonios. Eles mantem o funcionamento celular, regulando o metabolismo energetico e o peso corporal. A sugestao e' consumir cereais integrais, quinoa, linhaca, soja, frutas e vegetais e castanhas e azeite de oliva.

7 - Evite adocantes artificiais. Eles aumentam a absorcao de glicose – que sera armazenada na forma de gordura no tecido adiposo (principalmente, na regiao abdominal). As versoes naturais – a base de estevia – estao liberadas.

8 - Troque as carnes vermelhas por peixes e aves. O ideal e' consumir versoes como pescada, sardinha, merluza e lambari. Elas possuem menos toxinas e metais toxicos que comprometem a “barriguinha”.

9 - Aposte em abacaxi, mamao e hortela – principalmente apos as refeiçoes. Eles contribuem para uma eficiente digestao de proteinas, sendo potentes estimuladores estomacais.

10 - Incremente a salada. A dica e' misturar o azeite de oliva com o oleo de gergelim, o de linhaca e o de macadamia na azeiteira. Para completar, disponha sobre ela algumas folhas de ervas, como a salvia, por exemplo. O prato e' um grande aliado do processo digestivo.

11 - Pratique exercicios físicos. Afinal, tem efeito importante na reducao da gordura. Combine atividades que aumentam a massa muscular com aulas de “jump” e “bike”. Sao excelentes!



ARTIGO RETIRADO DO SITE DIETAS JA

domingo, 13 de junho de 2010

Notebook HP Compaq F756NR

Continuo com meu notebook HP COMPAQ F756NR parado...

Preciso encontrar uma placa-mae nova ou algum lugar confiavel que faca a recuperacao da mesma.

O que quero dizer com confiavel?

1 - Garantia
2 - Pessoas competentes que executem o trabalho

Como limpar o spool de impressao no linux?

Se por acaso esqueceu de definir o tipo de papel na janela de impressao e deseja abortar uma impressao de forma simples...

Para listar os trabalhos

$ lpq

Para cancelar o trabalho para um usuario especifico

$ cancel -u user

Para cancelar tudo

$ cancel -a

Converter FLV para MPEG ou MP3

Se voce tiver o ffmpeg e o lame instalados, voce podera facilmente converter arquivos de video em flash (.flv) assim como os videos do youtube para mpeg ou mp3.

Ok. Se por acaso voce nao souber onde esses videos do youtube sao armazenados, e utiliza o Firefox, eles estao no diretorio de cache do navegador. No Linux existe uma grande possibilidade de encontra-lo em $HOME/.mozilla/firefox/$alfanumerico.default/Cache lembrando que $HOME e' sua pasta pessoal e $alfanumerico e' uma combinacao de letras e numeros que vai variar de acordo com cada instalacao do Firefox.
Nesse diretorio Cache os videos Flash costumam ser armazenados sem a extensao .flv contendo apenas como nome uma estranha combinacao alfanumerica.

Para converter um arquivo flv para mp3 use o ffmpeg . Acredito que sera necessario possuir o lame instalado para converter corretamente para o formato mp3. Entre tantos parametros possiveis de serem utilizados com o ffmpeg eu uso i (input file), ar (sample rate), ab (audio bitrate) e ac (audio channels).

Atenção: Nas versoes mais recentes do ffmpeg voce provavelmente tera que adicionar um "k" para "kilobyte", exemplo: -ab 160k

$ ffmpeg -i flashvideo.flv -ar 44100 -ab 160k -ac 2 output.mp3

Para converter um arquivo flv para mpeg voce podera usar algo mais ou menos assim

$ ffmpeg -i flashvideo.flv -s 352x288 -b 512 -ab 128 output.mpg

As opcoes utilizadas foram s (size) e b (video bitrate).

Brinque um pouco com as opcoes do ffmpeg e experimente bitrates diferentes, tamanhos diferentes, etc. Mas lembre-se que se o video em flash nao estiver com boa qualidade certamente o arquivo convertido tambem nao tera.


Esta dica esta originalmente no blog "Look Here First" e foi traduzida por mim.
Follow Me on Twitter